Mês: dezembro 2018

disfonia-saiba-o-que-e-como-tratar

Disfonia – Saiba o que é e como tratar

Disfonia é um distúrbio de comunicação, caracterizado pela dificuldade na emissão vocal, apresentando um impedimento na produção natural da voz. Não é considerada uma doença, mas sim, um sintoma presente em diversas condições.

Antes de mostrar os sintomas da disfonia e as causas, entenda como funciona a emissão vocal.

A voz emitida durante a fala se origina da vibração das pregas vocais (cordas vocais), que ficam localizadas na laringe. Quando falamos, as pregas vocais se aproximam e o ar sai dos pulmões, passando pela laringe e causando uma vibração.

As cavidades da cabeça (faringe, boca, nariz) funcionam como um alto-falante natural para a emissão de sons. Por fim, os sons falados são articulados na boca, por meio dos movimentos da língua, lábios, mandíbula, dentes e palato.

A disfonia é conhecida popularmente pela rouquidão, ela representa todas as dificuldades ou alterações na emissão natural dela.

Confira os sintomas da disfonia:

  • Esforço ao emitir a voz;
  • Dificuldade em manter a voz;
  • Rouquidão;
  • Variações na frequência habitual da voz;
  • Falta de volume ou projeção da voz;
  • Perda da eficiência vocal;
  • Afonia (perda da voz).
  • Dor ao emitir sons;
  • Falta de ar ao falar;
  • Engasgos até com saliva

A alteração pode ser classificada em quatro níveis de intensidade:

  1. Leve: disfonia eventual e quase imperceptível;
  2. Moderado: disfonia acontece regularmente, é percebido pela própria pessoa e pelos outros, a voz apresenta oscilações e esforço;
  3. Intenso: disfonia acontece constantemente, a voz é pouco audível, apresenta grande esforço e intensa fadiga;
  4. Extremo (afonia): ausência parcial ou total da voz.

A disfonia é caracterizada por três aspectos:

Disfonia funcional:

São aquelas que não apresentam nenhuma alteração visível nas pregas vocais, elas são decorrentes do mau uso ou do abuso da voz. Geralmente ocorrem em profissionais da voz que não tem nenhum tipo de orientação.

Disfonias orgânico

São, em geral, iniciadas com uma disfonia funcional que tem seu diagnóstico tardio, como a disfonia funcional não foi tratada, ela evolui para uma lesão secundária nas pregas vocais.

Disfonia orgânico-funcional

Este é caso avançado de disfonia funcional e assim como caso acima, não foi tratado e causam mais danos as cordas vocais. Costumam surgir nódulos ou pólipos na região, chamados de “calos” vocais, o diagnóstico deve ser feito por um especialista.

Os principais cuidados com a voz são:

  • Beber pelo menos 2 litros de água por dia, em temperatura ambiente;
  • Fazer intervalos para beber água quando falar muito;
  • Levar uma garrafa de água consigo para garantir a hidratação frequente da garganta;
  • Evitar fumar e ingerir bebidas alcoólicas;
  • Evitar gritar ou falar muito alto;
  • Tratar adequadamente alergias e doenças respiratórias, com auxílio médico;
  • Manter a cabeça ereta enquanto fala, para facilitar a fonação;
  • Buscar uma vida com menos estresse, que traz diversas alterações de fala;
  • Manter uma alimentação balanceada, pois problemas gástricos também afetam a voz;
  • Realizar exercícios vocais orientados por fonoaudiólogos.

Tratamentos:

O cuidado com a voz é ideal para evitar distúrbios nas cordas vocais e causar problemas mais sérios, por isso, é extremamente importante para os profissionais que utilizam muito a voz ter os cuidados necessários, e as pessoas que não utilizam muito também, pois muitas vezes há um esforço desnecessário.

O tratamento de primeira escolha consiste na redução dos fatores causais (uso inadequado da voz, tabagismo), repouso vocal e tratamento fonoaudiólogo.

O ideal é você procurar um especialista para fazer o diagnóstico correto e passar o tratamento ideal. A Orthofono é uma clínica odontológica e fonoaudióloga, com profissionais completamente aptos para realizar todos os procedimentos necessários.

Entre em contato conosco e agende a sua avaliação gratuita neste link.

o-que-os-pais-precisam-saber-sobre-os-dentes-de-leite

O que os pais precisam saber sobre os Dentes de leite

Os dentes de leite como muitos sabem, são os primeiros dentes que temos e começam a nascer a partir dos seis meses de vida. Essa etapa é muito importante para o desenvolvimento dos bebês, pois é quando eles começam a ingerir alimentos sólidos. É muito importante que os pais tenham total atenção e cuidados necessários quando os dentinhos começarem a crescer.

Apesar dos dentes começarem a nascer cedo, por volta dos seis meses de idade – mas, em algumas crianças podem demorar mais, o processo de surgimento e queda dos dentes de leite é longo, porque cada parte dental tem um período específico para surgir e desaparecer.

É comum logo no surgimento as crianças sentirem dor, da mesma maneira que os adultos sentem quando os sisos estão nascendo, por isso, os pais devem ter muita paciência com os bebês, pois é comum eles ficarem mais sensíveis e até mesmo chorar mais. Os pais podem procurar um pediatra para sugerir algum medicamento para amenizar a dor dos pequenos.

Nascimento dos dentes

Quando a criança completa três anos de idade já deverá ter 20 dentes, entre sisos e dentes. Portanto esse processo deve começar desde antes do nascimento dela. Dentro das gengivas se formam os dentes de leite, os quais começam a brotar a partir dos seis meses, aproximadamente. Em alguns casos o nascimento dos dentes de leite causa incômodos como febre, diarreia, dor e inflamação.

Os primeiros dentes a nascer são os incisivos superiores. Logo, entre os seis e 16 meses já terão nascido todos os dentes incisivos, que são dois superiores e dois inferiores. No mês seguinte, começam a aparecer os caninos (colmilhos), em um processo que demora por volta de até 22 meses, são apenas dois caninos por lado.

Aos três anos, as crianças já possuem os 20 dentinhos de leite, como foi mencionado acima, ele Não é permanente, mas requer atenção e cuidado. A partir dos seis anos, é o momento em que eles começam a cair, dando lugar aos permanentes, é importante deixá-los cair naturalmente, provocar sua queda pode machucar a estrutura óssea bucal.

Portanto, as crianças perdem entre os seis e oito anos todos os dentes incisivos, ou seja, todos os dentes que estão na parte frontal, já que naturalmente eles são os primeiros a nascerem.

Os caninos e os molares não são percebidos tanto ao cair, por isso entre os dez e os 12 anos de idade, haverá uma mudança sem que tenhamos reparado muito. Quando a criança atingir 12 anos de idade, a maioria dos dentes dela terá mudado.

Em certos casos, os dentes permanentes nascem antes de caírem os de leite. Esse fenômeno é conhecido como dente de tubarão. É por isso, que algumas crianças podem chegar a ter duas fileiras de dentes.

O tempo estimado para a dentina se recompor é em até três meses, mas se o período se prolongar o ideal é procurar um especialista e analisar se não houve nenhum comprometimento na estrutural bucal.

Em todos os casos os casos, mesmo ainda na infância o ideal é passar por um especialista regularmente e fazer a higienização bucal adequadamente.

Aqui na Orthofono a sua avaliação é gratuita, entre em contato conosco hoje mesmo!

tratamentos-odontologicos-caseiros–saiba-os-riscos

Tratamentos odontológicos caseiros – saiba os riscos!

Um hábito praticado por algumas pessoas é realizar procedimentos odontológicos em casa e sem nenhuma orientação de especialistas, pelo contrário, acabam sendo influenciados por tudo o que veem na internet. Mas, tenham cuidado, há muitos riscos em procedimentos caseiros, o que pode tornar um possível problema bucal em uma doença bem pior.

Confira 4 tratamentos caseiros e seus riscos:

1 – Clareamento dental com carvão ativado:

O método improvisado do carvão ativado vem sendo muito utilizado e muitas pessoas acreditam nos resultados. Mas, isso não é verdade. Apesar de parecer inofensiva, essa substância é altamente abrasiva e pode desgastar seus dentes, causar manchas difíceis de retirar e, ainda, danificar o esmalte do dente. Além disso, há o processo de finalização após o clareamento, para fechar o que o clareador deixou de espaço no esmalte dentário, e claro, só um profissional poderá fazer isso.

2 – Alinhamento caseiro:

Um aparelho que promete “alinhar os dentes” está sendo vendido na internet. Na tentativa de personalizar o visual, colocar elásticos e borrachas coloridas têm gerado o efeito inverso.

Quando é feito qualquer tipo de pressão ou alteração inadequada da posição dos dentes, sem a supervisão de um dentista e, tampouco, o uso de aparelhos ortodônticos profissionais, você poderá desalinhar seus dentes e causar o chamado dente mole, que pode evoluir para a queda, isto é, o “aventureiro” pode perder dentes. Além da queda dos dentes, este aparelho caseiro pode causar perda óssea e dificuldades na mastigação.

3 – Materiais caseiros:

Há alguns materiais caseiros muito utilizados, como limão, bicarbonato de sódio, carvão ativado, argila. Esses itens podem gerara alguns riscos para o paciente, como dores fortes, perda dos dentes, manchá-los, causar danos na mastigação e muitos outros. Pois os dentes ficam sensíveis e desprotegidos, além de estarem mais propensos a estes riscos.

4 – Pode causar queimadura bucal:

O interior da boca é formado por mucosas muito sensíveis que são facilmente danificadas. Com os tratamentos realizados em casa, as queimaduras poderão atingir língua, lábios, gengiva e toda a cavidade bucal, causando dores e dificuldades para se alimentar e falar. Isso porque quem realiza os tratamentos caseiros não têm um controle rígido da concentração e quantidade dos produtos que serão utilizados, podendo causar esses danos na cavidade bucal.

Seja qual for o procedimento que você precisa opte pela segurança, vá até um especialista e garante que você terá o cuidado ideal.