Mês: janeiro 2019

saude-bucal-das-gestantes–mito-vs-verdade

Saúde bucal das gestantes – Mito vs Verdade

Cuidar da saúde bucal é importante em qualquer fase da vida. Mas, na gravidez, a atenção deve ser redobrada, já que a falta de higiene bucal afeta diretamente a saúde do bebê. É o que aponta especialista.

Confira agora o que é mito e verdade sobre a saúde bucal em gestantes.

1 – Os dentes enfraquecem na gravidez, em decorrência do cálcio que é dividido com o bebê?

Mito! A gestante deve ter uma dieta balanceada com quantidades de mineral suficiente para ela e para o bebê. Mas, isso não quer dizer que a divisão irá enfraquecer os seus dentes.

2 – Há o aumento de inflamação nas gengivas por causa da alta produção de hormônios?

Verdade! As variações hormonais promovem uma dilatação dos vasos sanguíneos, o que provoca uma resposta exagerada dos tecidos gengivais, aumentando o risco de problemas nesta região.

3 –  Na gestação, a mulher está mais propensa a cáries?

Verdade! Por conta das alterações hormonais, há diminuição do fluxo e da ação protetora da saliva. Além disso, é comum que se coma mais. Essa combinação pode gerar um aumento da acidez constante na boca, facilitando a desmineralização dos dentes e a formação de cáries.

4 – Grávida não pode fazer radiografia?

Em termos! O que vale é a quantidade de radiação a que a grávida será exposta. No caso da odontologia, é mínima. Mas deve-se sempre utilizar os coletes protetores, e tomar cuidado em regiões próximas ao bebê, como o abdômen.

5 – Problemas na gengiva podem induzir o nascimento prematuro do bebê ou fazer com que ele nasça abaixo do peso?

Verdade! A inflamação nas gengivas libera citocinas e prostaglandinas, substâncias que induzem ao parto. Além disso, as bactérias podem atingir o bebê através do sistema circulatório e se fixar na placenta, podendo provocar partos prematuros e até a perda de peso.

6 – Refluxo, azia e ânsia de vômito, comuns na gravidez, afetam os dentes.

Verdade! Bochechos com a água diminuem o pH da boca, evitando a acidez que favorece a formação da cárie. É indicado um bochecho com água e, 15 minutos depois, fazer a escovação.

O acompanhamento médico deve ser feito durante todo o período da gestação, da mesma maneira é indicado procurar um odontologista para acompanhar a saúde bucal na gestação.

Para saber mais, entre em contato conosco e agende sua avaliação gratuita.

Fonte: OESP PRIME

canal–o-que-preciso-saber

Canal – o que preciso saber?

O canal é uma inflamação na polpa do dente e se progredir, além de causar terríveis dores ao paciente, pode levar a morte da estrutura dental infectada, ou seja, a perda do dente.

Por causa das intensas dores, o consultório odontológico é uma das áreas da saúde mais temíveis popularmente, principalmente quando o assunto é tratamento de canal.

Continue a leitura e saiba o que causa e como tratar o canal!

O que causa o canal?

Como muitas pessoas já sabem, o canal é causado por cáries profundas, elas destroem aos poucos o esmalte e a dentina, as camadas externas do dente, permitindo que bactérias da boca invadam a polpa dentária, local repleto de vasos sanguíneos. Dessa maneira, causa uma inflamação e infecção ao chegar à polpa, comprimindo o nervo e causando terríveis dores.

Além das cáries, o canal pode ser causado por traumas nos dentes, ou seja, quebrar ou corromper a estrutural dental também abre brechas para as bactérias invadirem a polpa cheia de vasinhos e terminações nervosas.

Tratamento

Além das terríveis dores, o tratamento de canal também não bem visto pela sociedade, a frase que muitas pessoas dizem “tenho medo só de ouvir o barulho da maquininha”.

É comum o paciente chegar ao consultório só depois de agravar a situação, ou seja, desejando apenas interromper a dor, mas, o tratamento pode ser feito em duas sessões ou mais, dependendo em si, de como se encontra a inflamação.

No caso de duas sessões, a primeira é utilizada para remover a parte infectada, ou seja, abrir a estrutura dental e limpar tudo o que corrompe o dente. A segunda sessão, normalmente uma semana depois, é para aplicar a obturação.

Outros problemas causados pelo canal

Engana-se quem pensa que o canal é um problema só da região bucal. Além das terríveis dores no dente, a inflamação pode causar dores de cabeça. Se não tratar corretamente ou simplesmente não realizar o tratamento, o dente infectado pode levar bactérias nas vias aéreas da região sanguínea e assim, as bactérias podem afetar órgãos vitais, como o coração.

Prevenção

Considerando as terríveis dores causadas pela inflamação e infecção dental, é melhor prevenir do que remediar, pro tanto, a melhor prevenção é a higienização adequada. Ou seja, escovar os dentes e utilizar o fio dental após as refeições e consultar frequentemente seu dentista.

Dentes de leite

As crianças também precisam de cuidados e higienização adequada com os dentes, inclusive os dentes de leite. Portanto, ajude e ensine seu filho a cuidar adequadamente da saúde bucal e se ele reclamar de dores na região bucal, leve-o ao dentista!

A Orthofono faz o orçamento gratuito, agende a sua consulta neste link e chega de sofrer com a dor de dente!

quebrou-os-braquetes-do-aparelho–saiba-o-que-fazer

Quebrou os bráquetes do aparelho? Saiba o que fazer!

Os bráquetes ou brakets – mais conhecido popularmente, são os famosos “ferrinhos” do aparelho, e se você já faz o tratamento ortodôntico já deve saber que precisa ter alguns cuidados necessários para não romper o instrumento e causar alguma lesão na região bucal.

Os bráquetes possuem um papel fundamental no processo de correção ortodôntica.  Eles podem ser feitos de metal, plástico ou cerâmico, varia de acordo com o aparelho escolhido pelo paciente.

Cuidados necessários com o aparelho:

Quem utiliza aparelhos ortodônticos precisam fazer uma ampla higienização bucal e no próprio instrumento, pois se não houver os cuidados necessários, ao invés de corrigir a estrutura bucal, pode acarretar em mais danos, como a periodontia, cáries, gengivites e outras cavidades bucais.

Principais fatores que quebram os bráquetes:

Como foi mencionado acima, quem utiliza aparelhos bucais precisa ter a higienização adequada e cuidados necessários com o objeto na cavidade bucal.

Umas das maneiras que mais rompem os bráquetes são por meio de força física, incluindo os esportes físicos brutos que entram em contato com a boca e quebram a estrutura do aparelho, podendo inclusive lesionar a região interna bucal. Outro fator que também causa danos nos bráquetes são os alimentos firmes, além disso, há o próprio desgaste natural e a deficiência na colagem dos bráquetes.

O que fazer ao romper os bráquetes?

Nunca retire os bráquetes ou as borrachinhas por conta própria, esta ação pode lesionar a cavidade bucal e até mesmo atrapalhar o tratamento ortodôntico. Portanto, se quebrar os bráquetes, procure por seu dentista e peça que o conserte.

O ideal é que isso aconteça da forma mais rápida possível, pois assim você não compromete o tratamento. Portanto, evite conviver com essa situação por muito tempo.

Precisa corrigir a estrutura bucal ou alinhar os dentes? Entre em contato conosco e conheça os tratamentos adequados para você!

piercings- bucal-o-que-devo-saber

Piercings bucal – o que devo saber?

Você sabia que o uso dos piercings na boca pode prejudicar a sua saúde bucal? Um dos motivos é porque na boca há milhões de bactérias que agregada ao metal podem causar infecções, além disso, há o risco de perfurar algum vaso sanguíneo e causar sangramento prolongando e difícil de ser controlado, entre outros problemas que podem acontecer com o uso do metal na boca. Antes de perfurar qualquer parte na região bucal, converse com seu dentista.

Confira alguns riscos que podem ser causados pelo piercings:

  • Infecção:

A boca contém milhões de bactérias que podem causar infeções em contato com o piercing oral. Tocar as partes de metal depois de colocados na boca também torna maior o risco de se contrair uma infecção.

  • Sangramento prolongado:

Caso um vaso sanguíneo seja perfurado pela agulha durante o procedimento de colocação, pode haver um sangramento difícil de ser controlado com perda excessiva de sangue.

  • Dor e inchaço:

São sintomas comuns de piercings na boca. Em casos mais sérios, se a língua inchar demais, poderá fechar a passagem de ar e dificultar a respiração.

  • Dentes danificados:

O contato com a joia pode danificar o dente. Dentes com restaurações – por exemplo, coroas ou jaquetas – também podem ser danificados pelas peças de metal.

  • Ferimento na gengiva:

As peças de metais não só podem ferir o tecido da gengiva que é sensível, mas também podem causar retração gengival. A retração gengival tem aparência desagradável e torna seus dentes mais vulneráveis a cáries e a periodontite.

  • Interferência com a função normal da boca:

As jóias aumentam a produção de saliva, impedindo que você pronuncie corretamente as palavras e também dificultam a mastigação.

  • Doenças transmissíveis pelo sangue:

O piercing da boca foi identificado pelo Instituto Nacional de Saúde como uma possível forma de transmissão da hepatite B, C, D e G.

  • Endocardite:

O piercing oral pode causar endocardite, que é a inflamação das válvulas e dos tecidos cardíacos. A ferida causada pela perfuração dá às bactérias da boca a oportunidade de entrar na corrente sanguínea, podendo chegar ao coração.

Estes são alguns riscos ocasionados pelo uso de piercings na região bucal, o ideal é procurar seu dentista e saber quais as regiões ideais para o uso de piercings e quais tratamentos podem ser utilizados após o perfuramento.